quinta-feira, 16 de abril de 2009

PRIMEIRO CABLE PARK DA AMÉRICA LATINA INICIA OPERAÇÕES EM JAGUARIÚNA EM MAIO

Complexo destinado à prática de esqui aquático e wakeboard consumiu investimentos da ordem de R$ 5 milhões
O Naga Cable Park, primeiro cable park da América Latina, inicia operações em Jaguariúna (120 km de São Paulo), no dia 21 de maio. O complexo tem como atração principal um moderno mecanismo formado por torres, cabos de aço, motor elétrico e alta tecnologia que substitui os tradicionais barcos usados para a prática das diferentes modalidades de esqui aquático ou wakeboard, esporte aquático que mais cresce no mundo. Foram investidos R$ 5 milhões no empreendimento que deve gerar 110 postos de trabalho diretos e outros 330 indiretos.

O parque ocupará uma área de 84 mil metros quadrados. Além do lago de 20 mil metros quadrados de águas de nascente própria que abrigará variadas espécies de peixes e servirá para as práticas esportivas, o Naga Cable Park contará com arquibancadas, restaurante, pronto atendimento, lanchonete, loja de equipamentos e acessórios, playground, vestiários, banheiros, estacionamento e passarelas flutuantes que terão como matéria prima garrafas pet.

O parque funcionará das 9h às 22h e terá capacidade para abrigar até 1500 pessoas por dia. Os esportes aquáticos poderão ser praticados até o por do sol. A infraestrutura permite que até nove praticantes esquiem simultânea e coletivamente em velocidades que variam de 10 a 60 km por hora. Cada usuário poderá praticar o esporte por uma hora, totalizando 400 praticantes por dia.

O mecanismo da prática esportiva consiste em um cabo de reboque contínuo, que corre em roldanas de guias horizontais presas a apoios de aço e movimentado por um motor elétrico. O sistema contribui para regenerar e manter o equilíbrio biológico da água e do ar, sem interferir na paisagem ou causar ruídos ou poluição com óleo. As operações são controladas e reguladas por operadores treinados. O ponto de partida da atividade é uma rampa lisa, que auxilia na aceleração. A partir desse ponto, os esquiadores executam suas manobras, que dependem do nível de conhecimento e experiência no esporte.

Além dos praticantes dos esportes aquáticos, o parque atrairá também pessoas que gostam assistir as manobras realizadas na água. "Vinte esquiadores atraem, aproximadamente, 100 espectadores", afirma o jovem empresário goiano Pedro Paulo Caldas, 28, proprietário do Naga Cable Park.

Advogado e praticante de wakeboard, Caldas vislumbrou no Brasil potencial para abrigar o primeiro empreendimento do gênero na América Latina durante estada nos Estados Unidos, onde esses parques são comuns. Ele explica que os cable parks já somam 240 unidades, espalhadas em 30 países. Na Alemanha, o formato existe há 45 anos como opção de lazer para toda a família.

De acordo com o empresário, houve uma sincronicidade para que o Naga Cable Park fosse instalado em Jaguariúna. "Quando retornei ao Brasil pesquisei 10 pontos, todos no Estado de São Paulo, onde estão concentrados 45% dos wakeboarders do Brasil e enxerguei nessa área em Jaguariúna o ponto ideal. A área era uma antiga cava de areia que poderia ser recuperada por meio de uma gestão ambientalmente sustentável. Somou-se a isso o fato de a cidade ser conhecida por sua vocação turística e possuir o maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da região. Para completar as coincidências, o terreno pertencia a um amigo do meu sogro", explica o advogado.

Serviço:
Naga Cable Park
Rua Carlos Gasparaldo, 66, Jardim Gastaldo, Jaguariúna, SP
Horário de funcionamento: 9h às 22h
www.nagacp.com.br


FONTE: Ateliê da Notícia (foto divulgação)